Considerações Gerais

CERÂMICA NO BRASIL – CONSIDERAÇÕES GERAIS

A abundância de matérias-primas naturais, fontes alternativas de energia e disponibilidade de tecnologias práticas embutidas nos equipamentos industriais, fizeram com que as indústrias cerâmicas brasileiras evoluíssem rapidamente e muitos tipos de produtos dos diversos segmentos cerâmicos atingissem nível de qualidade mundial com apreciável quantidade exportada.

As regiões que mais se desenvolveram foram a SUDESTE e a SUL, em razão da maior densidade demográfica, maior atividade industrial e agropecuária, melhor infra-estrutura, melhor distribuição de renda, associado ainda as facilidades de matérias-primas, energia, centros de pesquisa, universidades e escolas técnicas. Portanto, são nelas onde se tem uma grande concentração de indústrias de todos os segmentos cerâmicos. Convém salientar que as outras regiões do país tem apresentado um certo grau de desenvolvimento, principalmente no Nordeste, onde tem aumentado a demanda de materiais cerâmicos, principalmente nos segmentos ligados a construção civil, o que tem levado a implantação de novas fábricas cerâmicas nessa região.

Nesta apresentação é dado um panorama geral da Cerâmica no Brasil, envolvendo relações de Empresas, Instituições Diversas, Sindicatos, Associações, Publicações, Normas Técnicas e Números do Setor.

Abaixo resumo do número de Empresas, Instituições, Sindicatos e Associações relacionadas:

Associações – Área Cerâmica = 26

Sindicatos – Área Cerâmica = 51

Associações e Sindicatos Diversos = 25

Instituições de Ensino = 45

Instituições de Pesquisas e Serviços = 15

Empresas Fabricantes e Distr. / Repr. de Produtos e Serviços = 418

Empresas Fornecedoras p/ Indústria,Instituições e Mineração = 249

Empresas Fornecedoras p/ Artístas Ceramistas = 15

A exceção do Sindicatos e Associações, somente foram consideradas aquelas possuidoras de site. Isto se deve às dificuldades de se obter junto a elas as informações necessárias p/ a atualização dos dados no cadastro do Banco de Dados da ABC.

Comments are closed